INSÍGNIA E LEMA

INSÍGNIA E LEMA
CONQUISTANDO OS CORAÇÕES SE VENCE A LUTA

quinta-feira, 18 de maio de 2017

24ª CONFRATERNIZAÇÃO

Conforme deliberado na nossa última Confraternização, em Évora, a deste ano teve lugar em Pombal, mais concretamente no Manjar do Marquês, conjuntamente com a da Companhia-Irmã 2505.
Local com fácil estacionamento e de acesso rápido pois fica muito perto da A-1.
Após a sessão de fotograficas da praxe, guardou-se 1 Minuto de Silêncio em homenagem aos Camaradas que já partiram, ou em África ou após o nosso regresso, e por mim, Carlos Jorge Mota, no final, foi feita uma explanação da história do nascimento do agora mundialmente usado Minuto de Silêncio em honra de algo ou alguém.
Presente o então Capitão Carrilho e então Comandante de Companhia 2505, hoje Coronel-Médico na Reforma, que se congratulou por encontrar velhos Camaradas de ambas as Companhias que ombrearam as mesmas alegrias e vicissitudes.
Convívio franco e aberto, como é apanágio dos Combatentes de Portugal (porventura será igual em todo o mundo), ficaram as duas Companhias agrupadas por mesas com alinhamento separado.
O João Merca e o Zé Simões saudaram todo o pessoal, na qualidade de organizadores habituais destes Encontros, em nome da sua Companhia, ao que eu, Carlos Jorge Mota, em nome da Companhia de Caçadores 2506, retribuí.
Fez-se a narração das razões de ausência dos Camaradas que telefonaram a indicá-las e foi dada  a informação formal do falecimento, no ano passado, do Camarada Jerónimo Candeias, cuja comunicação já tinha sido exposta aqui no Blogue.
Por mim foi sucintamente transmitido o teor duma conversa telefónica de cerca de 30 minutos que havia sido feita com o Médico Dr. Eduardo Xavier da Cunha, localizado através do Facebook pelo Boavista, e que ficou radiante por poder trocar impressões connosco, lembrando episódios ocorridos na Coutada de Mucusso.
Entretanto, no Domingo passado, portanto, já após o Encontro, recebi um telefonema do Médico Dr. Eustácio Ribeiro da Cunha, que nos acompanhou na ida para as Terras-do-Fim-do-Mundo e lá permaneceu até ser rendido pelo seu homónimo Cunha, mas Xavier, que lamentou não ter podido estar presente, enviando um abraço para todos os Camaradas. A razão da sua ausência deveu-se ao facto de, na qualidade de Cavaleiro da Ordem de Malta, ter sido destacado para a localidade de Pernes, na estrada que liga a Santarém, no início deste mês de Maio, para dar apoio aos peregrinos que se dirigiam a Fátima. Regressou a casa só no sábado seguinte ao da nossa Confraternização e estava a usufruir do merecido repouso. Todavia, disse: "para o ano não falto com toda a certeza".
Porque, dum modo mais ou menos generalizado, foi do agrado a utilização das instalações deste Restaurante, ficou assente que a Confraternização de 2018 será no mesmo local, mas com necessidade de alguns ajustamentos a fim de serem corrigidos alguns pormenores.







O Coronel-Médico Carrilho, o segundo contando a partir da direita

O Ajax quando pega no microfone ...





Antes de se partir o tradicional bolo


Historiando 1 Minuto de Silêncio:

Nós, Portugueses, deveremos divulgar e ter orgulho neste tipo de homenagem prestada a algo ou alguém, hoje prática disseminada pelo mundo afora.
Em 1912, quando chegou a Lisboa a informação do falecimento do grande estadista brasileiro Barão do Rio Branco -  a quem o Brasil deve a negociação com a Bolívia segundo a qual o actual Estado do Acre foi integrado naquele país-irmão, sem derramamento de sangue, pois houve negociação consubstanciada em compra - a então Assembleia da então novel República Portuguesa rendeu-lhe o merecido reconhecimento permanecendo 10 minutos em silêncio. Ficou instalado, a partir desse singelo mas valioso acto, um novo processo de reconhecimento de honra, reduzindo o tempo para 1 Minuto, hoje prática corrente no globo inteiro.
O Brasil ainda não prestou a merecida e devida veneração a este grande estadista brasileiro e muito amigo de Portugal. A História assim o exige.

Carlos Jorge Mota 

domingo, 9 de abril de 2017

CONFRATERNIZAÇÃO 2017 - 24ª

Meu Caro Camarada de Armas


Conforme deliberado há um ano atrás, no coração do Alentejo, iremos efectuar a nossa Confraternização de 2017 em Pombal, mais propriamente no MANJAR DO MARQUÊS, onde, em simultâneo, estarão presentes também os Camaradas da 2505, Companhia-Irmã do nosso Batalhão, embora cada Companhia irá ocupar o seu espaço próprio.
 
Assim sendo, a nossa 24ª Confraternização - como o tempo passa, pessoal, estamos todos bem seniores -  ocorrerá no dia 6 de Maio no restaurante citado, cujas coordenadas - para quem utiliza GPS - são: 39º 55’ 54,95” N   /    8º 37’ 41,43 W.


“Picadas” até ao objectivo:
Quem vem de sul pela A1 sai em Pombal, apanha a N1 (IC2) no sentido de Coimbra e anda cerca de 1 Km e vira à direita; quem vier de Norte pela A1 fará o inverso, isto é, sai em Condeixa, segue na direcção de Pombal cerca de 20 Km. O restaurante é bem visível, à esquerda.

10H00 – Início da concentração no Parque de Estacionamento do Restaurante
12H30 – Tempo para as habituais fotografias
13H00 – Almoço, precedido das habituais saudações e de 1 minuto de silêncio em homenagem
                 aos nossos Camaradas que já partiram.

O Preço da Refeição será uma agradável surpresa, pois, atendendo a que há um Camarada da 2505 que tem ligações directas com o Restaurante, será inferior ao que habitualmente suportámos.
.

Responde-me logo que possas – pode ser pelo telefone - e entretanto recebe um forte abraço. 
                                        


11 de Abril de 2017                        
                                                         
 Carlos Jorge Mota
 Telefone: 220 301 472
 Telemóveis: 919 862 347  /   933 302 262                                           

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

OS SEIS NORTENHOS MAGNÍFICOS

Almoço quinzenal nos arredores do Porto, na Ponte da Pedra. Aqui, já no café. O número varia, consoante a disponibilidade de cada um. Neste, um novel bem branquinho, que parece Ajax. Mas ... faltaram quatro: Madureira, Sérgio, Fontes e Acácio Sampaio (este último do Batalhão de Cavalaria 2870).
Todos serão bem-vindos. Façam aumentar o número.


Carlos Jorge Mota

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

ROLA, ROLA! AQUI LEÃO!

KUANDO-KUBANGO (Terras-do-Fim-do-Mundo)



No dia 1 de Janeiro de 1970, ordem de avanço para sudeste da zona do Aquartelamento, para perto de Bambangando, para recolha dum GE (elemento dos denominados GE’s – Grupos Especiais constituídos por nativos normalmente armados com material capturado ao IN) que ficou doente no decurso duma operação em que estavam envolvidos naquela área.
Saída de manhã cedo, sob o Comando do Furriel-Miliciano Temudo, mas acompanhados também do Furriel-Miliciano Mota, que se ofereceu para a missão.
Atingidas as coordenadas fornecidas, via Rádio chamámos várias vezes “Rola, Rola!”, “Aqui Leão!”, senhas previamente combinadas para o contacto, mas, de “Rola”, … apenas silêncio.
Para aumentar o raio de acção de eventual contacto, apesar de possuirmos somente um Rádio, o nosso Grupo subdividiu-se em dois e dispersámo-nos por área mais alargada, na tentativa do som das viaturas poder ser audível pelo Grupo do GE. Novas chamadas, porém, silêncio absoluto…
Entretanto anoiteceu, e montada a indispensável segurança, dormimos na mata e sob chuva intensa e, pela primeira vez, utilizámos os Sacos-Cama que nos haviam sido recentemente distribuídos.
Logo de manhãzinha nova chamada via rádio, mas … apenas silêncio.
Contactada a Base, pedindo instruções face à situação, o Comandante do Grupo recebeu instruções para regresso imediato pois o GE em causa tinha já sido socorrido por outros meios, por nós desconhecidos.
Chegados à Coutada de Mucusso detecta-se então que falta uma Arma (G-3), provavelmente caída do Unimogue, talvez por entorpecimento físico do seu responsável dado que o ronronar do motor da viatura, acumulando o cansaço e o desgaste, a isso proporciona.
Na manhã seguinte, nova saída, mas com outro Grupo, que incorporava o Camarada em situação complicada, em busca da Arma. Felizmente, e para alívio geral, percorrido apenas parte do caminho em sentido inverso que esse militar tinha feito na véspera, a G-3 foi encontrada.
Todavia, no regresso, por abatimento repentino do terreno, que aparentava ser sólido, de um dos lados da viatura, uma Berliet virou-se e ficou de rodas para o ar. Houve discernimento e tempo para todos saltarem com segurança, ficando apenas o condutor dentro dela, mas, por protecção de mão-divina, saiu incólume. Entra em acção o guincho de um dos Unimogues e a Berliet é colocada na sua posição normal e pronta a arrancar.

Nota: Segundo se falava à época, Bambangando seria o local em Angola onde haveria maior concentração da Mosca do Sono razão por que antes de abalarmos para o Kuando-Kubango recebemos um reforço da Vacina contra esta doença.


Joaquim Costa
- então 1º Cabo de Armas Pesadas.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

ESCOLA DO MPLA EM PLENA MATA DOS DEMBOS

Cópia de documentos apreendidos durante uma Operação nos Dembos. Escola do MPLA em plena actividade, abandonada à pressa pela aproximação das NT (Nossas Tropas).
Como se compreenderá, tratando-se duma cópia - fiel - o papel não é o original.











Como se depreende perante os documentos prévios, o MPLA, para além a Luta Armada, tinha também a preocupação do Ensinamento Escolar.

Joaquim Costa