INSÍGNIA E LEMA

INSÍGNIA E LEMA
CONQUISTANDO OS CORAÇÕES SE VENCE A LUTA

segunda-feira, 26 de maio de 2014

PIADAS DE CASERNA I


In Jornal do Exército nº 133 de Janeiro de 1971

CUCA OU NOCAL?

E que tal, vai agora uma amargosazinha? CUCA ou NOCAL?

Tropa sem cerveja é como militar sem munições. Com o Tabaco é igual - para quem fuma.
Na Coutada de Mucusso, até recebermos os Frigoríficos a petróleo, "iam" pela goela abaixo, mesmo quentes. Uma grade diária era vulgaríssimo para alguns. Mas, mais garrafa, menos garrafa, todo o militar que se prezava deitava a sua garrafinha à boca, nem que fosse para matar ... o tempo, para além da sede.

Lembrando a nossa companhia quotidiana, pelo menos no Aquartelamento:




Carlos Jorge Mota



terça-feira, 13 de maio de 2014

21ª CONFRATERNIZAÇÃO - 2014, NA LOUSÃ

Em conformidade com o combinado na anterior, a  nossa 21ª Confraternização, realizada em 2014, precisamente no ano em que se completaram 45 anos da nossa partida para terras de Angola, ocorreu em 10 de maio, sob a égide do Camarada Manuel Gonçalves, na sua linda terra da Lousã, no Restaurante Típico O BURGO, em plena área serrana e deslumbrante da Nossa Senhora da Piedade. Fomos servidos de pratos regionais, regados com bom vinho à escolha individual, e convivemos no sempre habitual ambiente de sã e fraterna camaradagem, revivendo bons e também alguns maus momentos antigos.
Concentrados à chegada junto à Câmara Municipal, dirigimo-nos depois para a Igreja Matriz onde (e só quem o desejou) assistimos a uma missa especialmente celebrada para nós e em cuja prática o sacerdote aludiu à temática da Guerra do Ultramar, procurando integrar no contexto político-social de então a ida de tropas para África.

                                                                                   

                           





  Área da Nossa Senhora da Piedade



O Gonçalves, para além da infografia da Lousã, contemplou-nos com uma garrafinha do tradicional Licor Beirão, produto da sua terra, em cujo corpo, para além do rótulo do Licor, foi colocado um outro com os dizeres da Companhia de Caçadores 2506 e o emblema do nosso Batalhão.

                   




Igreja Matriz
Findo o repasto, e na perspetiva de se auscultar os presentes sobre a próxima Confraternização, foi colocada essa questão, mas, para além dos já repetentes, não havia, de momento, mais voluntários para o efeito. Todavia, e já quando nos encontrávamos somente 4 camaradas, ultimando as contas e os afazeres habituais da circunstância, perante a já discutida vantagem da zona a selecionar dever ser em área central do país, o Camarada Palaio ofereceu-se para esse desiderato, ficando, portanto, assente de imediato que em 2015 nos reuniremos em Penela, sua terra-natal.

Escadaria da Câmara Municipal da Lousã

Acertando a estratégia organizativa definitiva


Carlos Jorge Mota









domingo, 4 de maio de 2014

20ª CONFRATERNIZAÇÃO - 2013, EM VILAR DO PINHEIRO

Na sequência do deliberado no ano anterior, neste ano de 2013, concretamente no dia 11 de maio, reunimo-nos em Confraternização anual em Vilar do Pinheiro, sob a égide do Camarada Adário, no Restaurante ZÉ DA ADEGA, situado dentro duma quintinha, onde bem se comeu e melhor se bebeu.
Antes, porém, e no próprio local de concentração, assistimos a uma Missa na Igreja Central daquela Freguesia cujo padre havia sido também Combatente razão por que a prática da própria missa incidiu sobre a temática da Guerra. 




Durante o lauto repasto combinámos sobre a localidade da Confraternização do próximo ano, aconselhável ser em zona mais central do país, até porque esta deste ano é a terceira realizada no norte de Portugal. Depois de alguma hesitação dos presentes, imediatamente se candidataram alguns camaradas, só que, tratando-se de repetentes, foi feito novo apelo para diversificação, voluntarizando-se então o Camarada Gonçalves para assumir o convívio de 2014 na sua também linda terra da Lousã.

Carlos Jorge Mota   

19ª CONFRATERNIZAÇÃO - 2012, EM OLIVEIRA DO BAIRRO

Em conformidade com a decidido no ano anterior em Barcelos, neste ano de 2012, em 5 de maio, e sob a égide do Camarada Orlando Santos, ocorreu a nossa Confraternização anual em Oliveira do Bairro, linda terra bairradina, no Restaurante ESTÂNCIA.
Antes, porém, fizemos uma visita às Caves Aliança/Museu Joe Berardo, em Sangalhos, onde tivemos possibilidade de, para além das várias coleções de vinhos, contemplar um riquíssimo espólio de material paleontológico com mais de 20 milhões de anos, que inclui fósseis de rinocerontes, conchas, plantas ou peixes, a que estão associadas madeiras petrificadas provenientes da Argentina, bem como figuras em terracota com cerca de 1.500 anos provenientes da antiga cultura Bura-Asinsa-Sika, do Níger (África). O museu inclui ainda Arte Etnográfica Africana, nomeadamente estátuas, máscaras, armas, artigos de joalharia e utensílios do quotidiano, e Escultura Contemporânea do Zimbabué, bem como Cerâmica das Caldas da Rainha, com peças raras e originais dos chamados período arcaico ao pós-bordalino (material produzido por Rafael Bordalo Pinheiro e Manuel Cipriano Gomes), para além de Coleções de Azulejos produzidos entre o Séc. XVIII e a atualidade, na sua grande maioria de origem portuguesa e francesa, e ainda Coleção de minerais oriundos do Brasil. Quem quis, teve oportunidade de adquirir os maravilhosos vinhos das Caves Aliança, de renome mundial.



Como se pode verificar na fotografia acima (entre a minha pessoa e o Temudo), recebemos um camarada novel nas nossas confraternizações,  José Joaquim Vieira, de sua graça, atualmente advogado em Lisboa, e que, em Angola, se juntou à nossa Companhia, em rendição individual, provindo de Caripande, nome que lhe deu a alcunha carinhosa por que ficou conhecido entre nós.
Após a habitual lauta refeição e o já tradicional convívio fraterno, depois de posta à consideração a seleção da localidade do próximo ano para nos reencontrarmos, recaiu a escolha em Vilar do Pinheiro, local situado entre a cidade do Porto e Vila do Conde, terra-natal do Camarada Adário, que se disponibilizou para assumir essa tarefa.

Carlos Jorge Mota



18ª CONFRATERNIZAÇÃO - 2011, EM BARCELOS

Conforme deliberado no ano passado em Macedo de Cavaleiros, a Confraternização realizou-se, nesta ano de 2011, no dia 7 de maio,  sob a égide do Camarada António Sousa, em Barcelos, sua terra onde o galo cantou, segundo diz a lenda.
No Restaurante/Hotel BAGOEIRA tivemos, pois, oportunidade de convivermos na habitual boa e sã camaradagem e desfrutar duma boa comida minhota e o tradicional, para quem quis, do vinho verde daquela zona do país.


Próximo ao fim do repasto, foi colocada aos presentes a questão da derivação geográfica para o próximo ano, atendendo a que, em dois anos consecutivos, a nossa confraternização ocorreu na zona norte do país. Perfilou-se, entre várias, uma candidatura para a zona da Bairrada, que foi a selecionada, pelo que, em 2012, o nosso convívio terá lugar em Oliveira do Bairro, sob a articulação do Camarada Orlando Santos.

                                                                                                                      Vídeo remetido em 2014.05.05 pelo Camarada Sousa
video


Carlos Jorge Mota 

sábado, 3 de maio de 2014

17ª CONFRATERNIZAÇÃO - 2010, EM MACEDO DE CAVALEIROS

Conforme decidido no Porto (Senhora da Hora) em 2009, neste ano de 2010, e sob a égide do Camarada ex-1º Vilares (Capitão), no dia 8 maio, precisamente há 41 anos da data do nosso Embarque para Angola, realizou-se, na sua e linda terra transmontana de Macedo de Cavaleiros, a 17ª Confraternização anual da nossa Companhia, no Restaurante PANORAMA, mesmo à margem da Barragem do Azibo, restaurante cujo nome faz jus ao belo panorama envolvente.
Em habitual sã camaradagem decorreu o tempo que em estivemos juntos, em alegre convívio, no decorrer do qual, após os normais procedimentos de divulgação de caráter organizativo, foi feita uma oferta, em nome da Companhia, pelo Camarada Armando Madureira, na sua qualidade de ex-Segundo Comandante da Companhia de Caçadores 2506, ao Camarada Vilares, consubstanciada numa salva de prata em cujos dizeres é feita referência a esta Confraternização, à sua terra-natal e à data dos 41 anos do embarque.
Na parte final, posta à discussão o local da próxima Confraternização, após uma intervenção feita pela Camarada Mineiro aludindo que o convívio é perene, e reiterando essa questão já por mim colocada, dizendo que, se não houver voluntários, ele próprio assumirá novamente essa tarefa, mas considerando que o ex-1º Vilares tem mais facilidade de deslocação em percursos relativamente pequenos, disponibilizou-se então o Camarada Sousa para, na sua terra de Barcelos, receber o pessoal.

       

        
                                                


                                                                                            Poema por mim lido, aludindo os 41 anos


                                  

                                      Vídeo 1
video


                                  Vídeo 2
video


                                Vídeo 3
video


Carlos Jorge Mota

quinta-feira, 1 de maio de 2014

16ª CONFRATERNIZAÇÃO - 2009, NO PORTO

Conforme assente no ano anterior, e porque neste, de 2009, perfazem 40 anos da partida para Angola, na sequência do meu desejo ao qual os camaradas fizeram o favor de aceder, realizou-se, em 9 de maio, na minha cidade do Porto, mais concretamente na vila da Senhora da Hora, já pertencente ao concelho de Matosinhos, e sob a minha égide direta (Carlos Jorge Mota) a Confraternização anual.
Marcado o local de concentração para junto da linda Igreja da Senhora da Hora, cedo o pessoal foi aparecendo e aproveitando para comer algumas farturas na festa da vila instalada nas redondezas. Dirigimo-nos à Igreja na qual se celebrou missa bastante participada, aliás, como as demais.
Fez-se uma visita à famosa Fonte das Sete Bicas, ex-libris da Senhora da Hora, em cujo jardim se tiraram muitas fotografias, para memória futura.
Quem não se lembra da canção:

A FONTE DAS SETE BICAS

Vamos os dois campos fora
Para a Senhora da Hora
Onde sem bailar não ficas
E assim que a Lua se esconda,
Vamos beber agua à fonte
À Fonte das Sete Bicas
Pelas sete bicas da fonte.

Refrão:
Se tu queres casar,
Anda meu amor à fonte comigo
Eu peço ao Senhor para casares comigo
E vais ver se é ou não como eu digo.

Casaremos na Igreja,
Para que toda a gente veja
A minha linda mulher.
E já depois de casados
Como somos educados
Iremos agradecer
À fonte dos namorados.

(Refrão)

Havemos de ter pequenos
Cheios de vida e morenos,
Como o sol no horizonte
Lindos como atu Anita,
Tão linda como fu cias
Quando vais comigo à fonte
Há Fonte das Sete Bicas

Dirigimo-nos depois para o Restaurante DAVID'S em cujo salão efetuámos um são convívio em boa camaradagem, bem animada, que, inclusive, meteu baile, tal como em algumas anteriores confraternizações.
Por mim foi distribuída a cada Camarada, como lembrança, uma garrafinha de Vinho do Porto, com rótulo do emblema do Batalhão de Caçadores 2872 e com a alusão à Companhia de Caçadores 2506.





Entretanto, o ex-1º Vilares manifestou interesse em que a próxima Confraternização ocorresse na sua terra-natal, em Macedo de Cavaleiros. Como se trata dum local distante do centro do país, embora atualmente possua já ótimos acessos rodoviários, foi colocada a questão ao pessoal que, com algumas, muito poucas, exceções, se disponibilizou para estar presente, razão por que ficou imediatamente assente ser essa a localidade selecionada para o efeito.    
                                   
                                                         Meu discurso, alusivo aos 40 anos 













                                                                       Vídeo 1
video



       Vídeo 2
video



                                                        Vídeo 3
                       video
                                


                                                                 Vídeo 4
video


 Carlos Jorge Mota