INSÍGNIA E LEMA

INSÍGNIA E LEMA
CONQUISTANDO OS CORAÇÕES SE VENCE A LUTA

quinta-feira, 18 de maio de 2017

24ª CONFRATERNIZAÇÃO

Conforme deliberado na nossa última Confraternização, em Évora, a deste ano teve lugar em Pombal, mais concretamente no Manjar do Marquês, conjuntamente com a da Companhia-Irmã 2505.
Local com fácil estacionamento e de acesso rápido pois fica muito perto da A-1.
Após a sessão de fotograficas da praxe, guardou-se 1 Minuto de Silêncio em homenagem aos Camaradas que já partiram, ou em África ou após o nosso regresso, e por mim, Carlos Jorge Mota, no final, foi feita uma explanação da história do nascimento do agora mundialmente usado Minuto de Silêncio em honra de algo ou alguém.
Presente o então Capitão Carrilho e então Comandante de Companhia 2505, hoje Coronel-Médico na Reforma, que se congratulou por encontrar velhos Camaradas de ambas as Companhias que ombrearam as mesmas alegrias e vicissitudes.
Convívio franco e aberto, como é apanágio dos Combatentes de Portugal (porventura será igual em todo o mundo), ficaram as duas Companhias agrupadas por mesas com alinhamento separado.
O João Merca e o Zé Simões saudaram todo o pessoal, na qualidade de organizadores habituais destes Encontros, em nome da sua Companhia, ao que eu, Carlos Jorge Mota, em nome da Companhia de Caçadores 2506, retribuí.
Fez-se a narração das razões de ausência dos Camaradas que telefonaram a indicá-las e foi dada  a informação formal do falecimento, no ano passado, do Camarada Jerónimo Candeias, cuja comunicação já tinha sido exposta aqui no Blogue.
Por mim foi sucintamente transmitido o teor duma conversa telefónica de cerca de 30 minutos que havia sido feita com o Médico Dr. Eduardo Xavier da Cunha, localizado através do Facebook pelo Boavista, e que ficou radiante por poder trocar impressões connosco, lembrando episódios ocorridos na Coutada de Mucusso.
Entretanto, no Domingo passado, portanto, já após o Encontro, recebi um telefonema do Médico Dr. Eustácio Ribeiro da Cunha, que nos acompanhou na ida para as Terras-do-Fim-do-Mundo e lá permaneceu até ser rendido pelo seu homónimo Cunha, mas Xavier, que lamentou não ter podido estar presente, enviando um abraço para todos os Camaradas. A razão da sua ausência deveu-se ao facto de, na qualidade de Cavaleiro da Ordem de Malta, ter sido destacado para a localidade de Pernes, na estrada que liga a Santarém, no início deste mês de Maio, para dar apoio aos peregrinos que se dirigiam a Fátima. Regressou a casa só no sábado seguinte ao da nossa Confraternização e estava a usufruir do merecido repouso. Todavia, disse: "para o ano não falto com toda a certeza".
Porque, dum modo mais ou menos generalizado, foi do agrado a utilização das instalações deste Restaurante, ficou assente que a Confraternização de 2018 será no mesmo local, mas com necessidade de alguns ajustamentos a fim de serem corrigidos alguns pormenores.







O Coronel-Médico Carrilho, o segundo contando a partir da direita

O Ajax quando pega no microfone ...





Antes de se partir o tradicional bolo


Historiando 1 Minuto de Silêncio:

Nós, Portugueses, deveremos divulgar e ter orgulho neste tipo de homenagem prestada a algo ou alguém, hoje prática disseminada pelo mundo afora.
Em 1912, quando chegou a Lisboa a informação do falecimento do grande estadista brasileiro Barão do Rio Branco -  a quem o Brasil deve a negociação com a Bolívia segundo a qual o actual Estado do Acre foi integrado naquele país-irmão, sem derramamento de sangue, pois houve negociação consubstanciada em compra - a então Assembleia da então novel República Portuguesa rendeu-lhe o merecido reconhecimento permanecendo 10 minutos em silêncio. Ficou instalado, a partir desse singelo mas valioso acto, um novo processo de reconhecimento de honra, reduzindo o tempo para 1 Minuto, hoje prática corrente no globo inteiro.
O Brasil ainda não prestou a merecida e devida veneração a este grande estadista brasileiro e muito amigo de Portugal. A História assim o exige.

Carlos Jorge Mota